garimpo

hopeDeixa eu abrir um espaço aqui nesse breu,
nesse turvo ar, nesse caos sedimentado
só prá te dizer:
eu vi a luz no final daquele túnel.
Eu estive com um pé no paraíso
ainda que o outro cutucasse o inferno.

Deixa eu inventar tarefas criativas
para manter esses diabinhos entretidos,
enquanto garimpo meu desasossego.
E se eu achar pedaços, pepitas,
pedrinhas sem valor algum – que seja!
saberei então, do que sou feita.

(fevereiro, depois de algum carnaval)

Espalhe por aí...Share on Facebook
Facebook
0Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Responder

Seu e-mail não será publicado.


*